A virada ética da pós-modernidade

A política tende a se apagar entre o consenso e a guerra infinita contra o terror, enquanto que a arte oscila entre esforços de restauração dos laços sociais e o testemunho não representável ou o mal e a catástrofe absoluta. Este movimento não tem nada de uma fatalidade histórica, mas vale a pena examinar como ele conseguiu, invertendo-os, explorar os radicalismos filosófico, artístico e político. Analisar a crise exige da filosofia tanto voltar-se criticamente sobre si mesma lançar-se contra os seus limites para mergulhar em vários aspectos da nossa experiência atual. A prática e a concepção de guerra, a articulação entre teologia e política, as diferentes faces de nossa modernidade, e suas vertentes éticas e estéticas.

LEIA MAIS