Entre a modernização instrumental e a emancipatória

A modernidade é bifronte. Uma face beberiana, voltada para a racionalidade instrumental, e uma face iluminista, voltada para a racionalidade comunicativa. Não se trata de fazer apoteose da modernidade funcional, hegemônica, nem de superar a modernidade por um salto para a frente, pós-moderno, nem tampouco de regredir para o arcaico – fundamentalismos etc. Mas de despertar de seu sonho secular a outra modernidade.

LEIA MAIS