Variados

A necessidade das utopias

Desde Thomas Morus até Ernst Bloch com seu princípio esperança, não podemos pensar a utopia senão como o motor mesmo de toda criação. Em certa medida, todo ato criativo é um ato utópico.

O desejo e sua “formação”

Em uma sociedade que anestesia sentidos e facilita o gozo, o desejo perde espaço para as “pulsões”, trazendo como resultado o aumento da violência auto e heterodirigida, a confusão sexual e a perda do sonho, da crença.

O amor na era da sobrecarga

Esperamos muito do amor. Ele dá boa parte do sentido das nossas vidas. Como fazer para que ele possa ser parte de uma vida boa, que não seja tão privada, tão egoísta, mas leve em conta o outro, o bem comum e a coisa pública? Com o psicoterapeuta Ivan Capelatto.

A mesa farta: a visão da historiadora

Milênios de fome acostumaram o homem a valorizar a comida. Contos populares como João e Maria mostram o fascínio pelos alimentos gostoso. Mas quando muita comida está disponível, engordamos. Como conviver bem com a abundância? Com a historiadora Mary Del Priore.

A compaixão

A análise antepõe a compaixão à responsabilidade amorosa. Aquela é irresponsável, portanto não é virtude. Para Lacan, compaixão significa “eu sinto pelo outro para não sentir em mim”. A compaixão é, portanto, o uso do outro sem dar a chance ao outro de se responsabilizar por sua vida.

O consumidor e a personalidade somática: duas identidades da moral do espetáculo

O psiquiatra Jurandir Freire Costa discutiu os efeitos da moral do espetáculo na construção da identidade do consumidor e da “personalidade somática”. A tese central foi a de que as duas formas de subjetivação produzem conflitos tanto na esfera da consciência do corpo quando na esfera das relações com a figura da autoridade moral.

As ilusões da identidade: o sujeito em Espinosa e Winnicott

O filósofo André Martins apresentou a busca por soluções mágicas – espirituais ou medicamentosas – para problemas psíquicos como ligada à dificuldade de abrir mão da identificação dos valores dominantes da sociedade atual.

O casamento como fato sociocultural

O casamento sob o ponto de vista estritamente antropológico é diferente nas diversas regiões do país e do planeta? Existem formas saudáveis de existir essa instituição, sem a rudeza do sentimento de obrigação? Com o antropólogo Carlos Rodrigues Brandão.

Série Viva! – Arte! – Ana, mulher rendeira

Em Itinga, no Vale do Jequitinhonha (MG), a rendeira Ana Pereira Lima conta sobre como a arte de fazer renda é fácil, quase como se estivesse brincando.

Scroll to top