Variados

O encontro com o desconhecido

O desconhecido começa a ser valorizado na Revolução Francesa: o novo passa a ser importante. Hoje valorizamos tanto a novidade que a nossa ação fica aquém da ação de inovar. Um dos dramas da modernidade, nesse sentido, é a necessidade de fazer escolhas e buscar o novo o tempo todo. Com o filósofo Renato Janine Ribeiro.

Série Viva! – Ofícios! – Hugo Martins e a arte sacra

Seu Hugo Martins, escultor, é de Paracatu (MG), e conta sobre o ofício de modelar a madeira, transformando-a em arte sacra.

O irmão

Milton Hatoum fala sobre a questão da família no romance. Ele cita alguns romances, entre eles “O vermelho e o Negro”, de Stendhal, onde esses temas são abordados. No conto de Guimarães Rosa “Os irmãos Dagobé”, por exemplo, o tema da vingança está presente na estória e nas relações familiares. Já no romance “Esaú e Jacó”, de Machado de Assis, a história narra as rivalidades entre irmãos. Milton acrescenta que em famílias onde não haja conflitos, onde todos se respeitam, não dão bom romance, ela é um tema essencialmente romanesco.

Milton Hatoum: professor de Literatura na Universidade Federal do Amazonas. Participou de antologias de contos brasileiros no México e na Alemanha e publicou contos nas revistas Europe e Grand Street. Colabora para revistas e suplementos literários brasileiros. Relato de um certo Oriente ganhou o Prêmio Jabuti de melhor romance em 1990.

gravado em 2008.

ref.: 212 betacam

O amor é uma coisa que se aprende

O psicanalista busca nas origens das narrativas amorosas uma verdadeira revolução. A partir do século 18, o amor foi o agente ideológico da supremacia do indivíduo contra as regras sociais. Com isso, o sujeito passa a ter que inventar a si mesmo. Nós aprendemos a amar com as histórias que ouvimos.

A vida profissional: o entediado

O tédio é a ausência do medo. Já o medo é o sal da vida: ele ajuda a educar nossos filhos e nos educa. Só nos sentimos felizes quando estamos estimulados por um desafio. Na vida emocional o outro tem de ser sempre um constante desafio. Com o psiquiatra Paulo Gaudêncio.

A paixão

A palavra paixão vem do grego “pathos”. Surge, na língua portuguesa, como patologia e indica um sentido oposto à ação: quando falamos de ação somos ativos; quando falamos sobre paixão, somos passivos, portanto padecemos. É deste ponto de partida que o filósofo Renato Janine Ribeiro abordou o tema.

Ética e amizade

Para o jurista Miguel Reale Júnior, a amizade resulta de uma eleição que não pressupõe identidade de crenças ou de ideias, mas de um querer bem desinteressado, recompensado pela troca de experiências, mesmo que conflituosas. Tem-se gosto pelo outro e isso basta.

Ética na separação

Vão ocorrer cada vez mais separações, nos casamentos, nas parcerias, nas amizades. Não está na hora de construir uma ética da separação? Com o filósofo Renato Janine Ribeiro.

aprender a amar no cinema: uma visão feminina

A premiada diretora de “Terra Estrangeira” e “Linha de Passe” falou sobre como o amor tem sido tratado no cinema ao longo da história a partir do drama de alguns dos mais emblemáticos personagens femininos da sétima arte.

Ética na profissão

A vida profissional é competitiva como nunca foi. Mas é também necessário que ela nos realize. Podemos nos realizar cortando a garganta do outro? Ou é preciso pautar normas, viver o respeito ao outro? Com o economista Eduardo Gianetti.

Scroll to top